Uma noite de sexta ou último amigo

Foi tudo muito rápido e principalmente muito estranho.

Naquela noite o plano era somente esperar uma amiga, precisava buscar uma coisa que havia deixado com ela, então sentei na mureta de frente a um banco, não vou falar qual para evitar fazer propaganda gratuitamente, fiquei esperando. Ela deve ter se atrasado ou eu acabei saindo cedo demais, tenho essa terrível mania de chegar muito cedo nos lugares e passar um bom tempo esperando, então deu tempo dele se aproximar. Era um homem até que novo, não sei especificar direito a idade, mas devia ter pouco mais de trinta anos.

Era obviamente um morador de rua, como eu sabia disso? Simples, estava fazendo pouco mais de dez graus e ele estava de bermuda e chinelo de dedo. Senti-me um pouco mal por estar de casaco e ainda assim tremendo levemente de frio enquanto aquele homem vestido daquele jeito agia naturalmente como se já estivesse calejado.
Continuar lendo