A Torre Negra – Um Guia de Leitura

header dark tower

Stephen King. Suponho que, é bem capaz de você nunca ter lido algum livro dele. É difícil, quase impossível você não ter visto algum filme baseado na obra deste autor. Só que uma coisa eu tenho certeza e não preciso supor, você sabe quem ele é.

Mais conhecido pelos icônicos Carrie e O Iluminado, Stephen King ficou conhecido como um dos maiores escritores de terror. Ser reconhecido por isso é um grande elogio, mas não foi somente disso que ele construiu a sua carreira e marcou seu nome na literatura mundial, que seguirá por anos e anos até o fim dos tempos. À Espera de um Milagre, Quatro Estações, Novembro de 63 e muitos livros e contos exploram outros tipos de histórias que não utilizam o terror que o fez ser reconhecido, mas tudo isso não mudou o fato do título de “mestre do terror” continuar antecedendo o seu nome. Mesmo assim, King foi capaz de cativar ainda mais uma legião de fãs (Leitores Fiéis, como ele gosta de chamar) e subir vários degraus de sucesso e renome.

Como qualquer outro escritor, há uma obra em particular que lhe chama mais atenção, aquela que pede mais carinho durante a sua escrita, que merece um pouco mais de amor ao longo do seu desenvolvimento. Para Stephen King, foi a Torre Negra.

Considerada a sua magnum opus, a saga foi inspirada pelo poema “Childe Roland à Torre Negra chegou” e começou a nascer durante a adolescência de King, como aquela inspiração de um escritor jovem em querer criar um mundo fantástico e épico, mas ela só foi iniciada seriamente anos mais tarde quando o autor passou a publicar os primeiros capítulos em uma antologia de ficção. Os capítulos se transformaram no primeiro livro. A continuação saiu anos mais tarde e a saga foi se desenrolando. Depois de 22 anos após o primeiro livro ser publicado, enfim a saga teve o seu desfecho, com 7 livros no total.

rosas

Então por que um guia de leitura da saga? Não é só ler os livros na sequência?

Se fosse apenas isso, este texto nem mesmo existiria. Você pode sim ler os livros normalmente, mas perderia muita informação e várias referências (falo por experiência própria). A saga demorou bastante tempo para ser concluída e King foi escrevendo dezenas de livros e contos durante esse período, mas a sua mente ainda continuava voltando para a Torre Negra. Foi na maioria de alguns desses livros que ele foi deixando alguns conceitos que seriam resgatados mais à frente. Personagens que pareciam deixar de existir ao fim da última página, mas que retornariam ou seriam mencionados novamente. Todos os universos sendo conectados aqui e ali. A Torre Negra sempre esteve presente.

A sequência apresentada no texto não é importante ou oficial, mas é bastante essencial para uma melhor leitura e compreensão do universo. Você pode ler os livros fora da saga em qualquer ordem que desejar. Caso chegar na Torre Negra não seja seu objetivo, espero que as recomendações pelo menos consigam despertar a sua curiosidade.

Então vamos lá, se eu consegui atrair a sua atenção até aqui, siga o guia a seguir e prepare-se para desfrutar da incrível saga criada pela mente brilhante de Stephen King.

“Escrevi uma quantidade de romances e contos suficiente para preencher um sistema solar da imaginação, mas a história de Roland é meu Júpiter – um planeta que transforma todos os outros em anões, um lugar de atmosfera estranha, paisagem louca e selvagem força gravitacional.” – Stephen King


 A Torre Negra I: O Pistoleiro 

1

Sinopse: “O Pistoleiro” apresenta ao leitor o fascinante personagem de Roland Deschain, último descendente do clã de Gilead, e derradeiro representante de uma linhagem de implacáveis pistoleiros desaparecida desde que o Mundo Médio onde viviam “seguiu adiante”. Para evitar a completa destruição desse mundo já vazio e moribundo, Roland precisa alcançar a Torre Negra, eixo do qual depende todo o tempo e todo o espaço, e verdadeira obsessão para Roland, seu Cálice Sagrado, sua única razão de viver.

O pistoleiro acredita que um misterioso personagem, a quem se refere como o homem de preto, conhece e pode revelar segredos capazes de ajudá- lo em sua busca pela Torre Negra, e por isso o persegue sem descanso. Pelo caminho, encontra pessoas que pertencem a seu ka-tet – ou seja, cujo destino está irremediavelmente ligado ao seu. Entre eles estão Alice, uma mulher que Roland encontra na desolada cidade de Tull, e Jake Chambers, um menino que foi transportado para o mundo de Roland depois de morrer em circunstâncias trágicas na Nova York de 1977.

Mas o pistoleiro não conseguirá chegar sozinho ao fim da jornada que lhe foi predestinada. Na verdade, sua aventura se estenderá para outros mundos muito além do Mundo Médio, levando-o a realidades que ele jamais sonhara existir.

O Pistoleiro é o primeiro livro da saga, mas pode muito bem ser descrito como um “livro número 0”. É ali que somos apresentado ao personagem principal. É onde tentamos entender esse novo mundo e como ele funciona. Na minha opinião ele funciona mais como uma introdução ao universo do que como início de saga. Não se espante caso algumas coisas pareçam difíceis de compreender, elas serão respondidas com o decorrer dos próximos livros.


A Torre Negra II: A Escolha dos Três

2

Para não atrapalhar a leitura e tirar um pouco da surpresa, resolvi não colocar as sinopses deste livro em diante. É aqui que a saga começa a tomar forma e sabemos como Roland fará para alcançar a Torre Negra e outros personagens começam a fazer parte do seu grupo. Considero um dos melhores livros do autor e se você chegar até aqui na leitura, a possibilidade de não seguir em frente é minúscula.


A Dança da Morte

3

Sinopse: Uma poderosa arma biológica, conhecida formalmente como Projeto Azul ou “Capitão Viajante”, acaba presumivelmente com grande parte da população do planeta. Apenas uma pequena parcela da população é resistente ao vírus, que é extremamente mortal. A primeira parte do romance abrange 19 dias e discorre sobre a quebra e destruição da sociedade em cenas bastante gráficas.

O romance prossegue, na parte dois, entrelaçando odisseias da travessia do país de um pequeno número de sobreviventes. Eles se afogam juntos por seus sonhos compartilhados de uma mulher psíquica idosa que eles viam como um refúgio. Esta mulher, Abigail Freemantle (conhecida como ‘Mãe Abigail’), se torna a líder espiritual dessa turma de refugiados, que tentam reestabelecer uma sociedade democrática na cidade Boulder, do Colorado. Enquanto isso, outro grupo de sobreviventes são impelidos a Las Vegas, Nevada, por outra entidade, um ser mau e sobrenatural conhecido como Randall Flagg, o “homem negro”. O comando de Flagg é tirânico e brutal, ainda que efetivo. Na parte três, o palco final é montado quando os dois grupos tomam consciência de si, e cada um reconhece o outro como uma ameaça para sua sobrevivência, levando à resistência do bem contra o mal, envolvendo uma arma nuclear perdida.

O maior livro que King já escreveu e um clássico da literatura americana. Antes de partir para o terceiro livro da Torre Negra, esse livro é bastante essencial para conhecer mais sobre um personagem que passa a ser importante para a saga daqui em diante. Além disso, algumas referências deste livro pintam no terceiro livro, que dão uma ótima compreensão de certa parte.

E aliás, é um baita livro bom.


Os Olhos do Dragão

4

Sinopse: Em Delain, um reino muito distante, viviam o rei Roland e seus dois filhos, Peter e Thomas. Roland não era exatamente o que se esperava de um rei. Apesar de se esforçar para não prejudicar seu povo, não conseguia realizar grandes feitos. Enquanto teve a seu lado a rainha Sasha, as coisas ainda corriam bem. Sasha preocupava-se com os habitantes de Delain e dava conselhos decisivos a Roland. Sua bondade conquistou o povo, mas alimentou o ódio de um perigoso inimigo — Flagg, o feiticeiro do reino.

Um dia, de forma súbita e suspeita, a rainha morreu. Mas Flagg ainda não se dava por satisfeito. Tinha planos para dominar Delain e, para isso, precisava eliminar todos que estivessem em seu caminho. Para começar, era preciso livrar-se do tolo Roland, depois afastar o jovem Peter e levar ao trono o pequeno Thomas — que Flagg tinha a certeza de conseguir controlar.

Com a habilidade de sempre, Stephen King constrói um conto de fadas fascinante que envolve príncipes amaldiçoados e um feiticeiro demoníaco. Na batalha entre o bem e o mal, a vida de um reino repousa nas mãos de dois jovens, que terão de superar obstáculos para conquistar o direito à justiça e verão sua coragem ser duramente testada. Nesse jogo eletrizante de armações, manipulações e magia, apenas um lado sairá vencedor.

Se você leu a sinopse dos dois livros acima, já vai saber qual é conexão entre ambos e a saga. Porém, o livro não tem uma ligação cronológica com a Torre, é bom não confundir.

Depois de um livro pesado como Dança da Morte, Os Olhos do Dragão é algo mais leve. É bom saber que o King escreveu este livro para os seus filhos, que eram crianças na época.


O Talismã

5

Sinopse: Jack Sawyer, um garoto de 12 anos, está prestes a iniciar uma jornada fantástica: a empolgante e assustadora busca de um talismã. Jack sabe que correrá muitos riscos, que terá sua coragem e resistência física testadas a cada segundo, mas vai lutar até fim: de seu sucesso depende a vida de sua mãe.
Para atingir sua meta, Jack terá que lutar contra um inimigo furioso e cruel que está disposto a fazer qualquer coisa para destruí-lo e atravessar não apenas os Estados Unidos de costa a costa, mas também os Territórios, uma região assombrosa e ameaçadora.

Onde ficam os Territórios? Como chegar a esta região fantástica e mítica que não pode ser alcançada de modo comum? Em que plano de existência se situa esse mundo tão intrigante quanto a Atlântida? Jack vence estes mistérios ao atravessar para os Territórios.

Aí, descobre a desconcertante existência dos “Duplos”, reflexos de pessoas que conhece na Terra, como a Rainha Laura, o “Duplo” de sua mãe, que também está com a vida por um fio. Jack não tem muito tempo e é longa a viagem. A cada passo de sua jornada, precisa enfrentar inimigos perigosos que o perseguem nos dois mundos. No entanto, ele persiste, pois só terá sossego quando o valioso talismã estiver em suas mãos.

Mais um livro da lista que apresenta conceitos que serão explorados nos próximos livros. O livro foi escrito em parceria com Peter Straub e apresenta uma jornada incrível que até assemelha-se com a jornada para a Torre Negra. É uma leitura recomendada para qualquer um.


A Torre Negra III: As Terras Devastadas

6

O terceiro livro da saga aproveita bastante de muitas referências, não só do próprio universo do King, mas de músicas, filmes e outras coisas relacionadas a cultura pop. É uma leitura que merece uma atenção mais detalhada ainda.


A Torre Negra IV: Mago e Vidro

7

Boa parte do livro consiste em um flashback importantíssimo sobre a adolescência de Roland. É um dos mais adorados pelos fãs, mas muita gente chega a discordar. Sendo o 2º maior livro da saga, aproveite bem a leitura pois os próximos livros irão levá-lo para outros universos e histórias antes de seguir adiante para a parte final da saga.


Salem (ou A Hora do Vampiro)

8

Sinopse: Ambientado na cidadezinha de Jerusalem’s Lot, na Nova Inglaterra, o romance conta a história de três forasteiros. Ben Mears, um escritor que viveu alguns anos na cidade quando criança e está disposto a acertar contas com o próprio passado; Mark Petrie, um menino obcecado por monstros e filmes de terror; e o Senhor Barlow, uma figura misteriosa que decide abrir uma loja na cidade.

Após a chegada desses forasteiros, fatos inexplicáveis vêm perturbar a rotina provinciana de Jerusalem’s Lot: uma criança é encontrada morta; habitantes começam a desaparecer sem deixar vestígios ou sucumbem a uma estranha doença. A morte passa a envolver a pequena cidade com seu toque maléfico e Ben e Mark são obrigados a escolher o único caminho que resta aos sobreviventes da praga: fugir. Mas isso não será tão simples, os destinos de Ben, Mark, Barlow e Jerusalem’s Lot estão agora para sempre interligados. E é chegada a hora do inevitável acerto de contas.

Outro livro que apresenta um personagem importante para a saga. Uma ótima história de suspense que ajudou na carreira inicial de King, mas que ficou atrás de outros bestsellers do autor e consequentemente não chegou a ser tão reconhecido quanto. Um livro super interessante pra quem busca um pouquinho de terror.


Tripulação de Esqueletos

9

Sinopse: Em “Tripulação de Esqueletos”, Stephen King nos guia por histórias em que o horror revela suas várias faces e nos recomenda, com suas próprias palavras: “Agarre meu braço agora. Agarre com força. Iremos a vários lugares escuros, mas acho que conheço o caminho. É só não largar meu braço”. Nesta aterrorizante coletânea de contos, Stephen King nos mostra mais uma vez por que é um dos mais aclamados escritores da atualidade. Um contador de histórias por excelência, aqui ele revela o amplo leque de suas habilidades, transitando com desenvoltura pelo pavor causado por criaturas abomináveis e por um terror psicológico de gelar o sangue.

Em “O nevoeiro”, seu conto mais longo, uma misteriosa e espessa neblina se aproxima de uma cidadezinha do Maine, trazendo perigos que desafiam a razão humana. Pai e filho precisam enfrentar seus mais sombrios medos na esperança de que esse tormento tenha fim. No entanto, na insana luta por sobrevivência, os personagens perceberão que ficar na rua em meio às estranhas criaturas pode ser tão perigoso quanto ficar em um cômodo fechado com pessoas desconhecidas. Na prosa de Stephen King, os protagonistas se veem forçados a lidar com situações fantásticas em que o que está em jogo é a sanidade diante do inimaginável. 

22 contos reunidos em um só livro, mas se você estiver com um pouquinho de pressa, apenas o primeiro tem importância com a Torre. Mas não desmereço em nada o restante das histórias que King juntou neste seu segundo livro de contos. Alguns chegam a ser aterrorizantes, como o conto O Sobrevivente, sobre um médico naufragado em uma ilha que, com o passar dos dias, começa a comer partes do próprio corpo para poder sobreviver. Outros brincam com o sobrenatural, como o conto O Processador de Palavras dos Deuses.


A Coisa

10

Sinopse: Nesse romance o mestre do terror nos leva de volta ao tempo em que acreditávamos mais em nossa imaginação, em nossos sonhos e também em nossos pesadelos…

Junho de 1958. Derry, pacata cidadezinha do Maine. Início das férias de verão. Para Bill, Richie, Eddie, Stan, Beverly, Mike e Ben, sete adolescentes que, pouco a pouco, se tornam amigos inseparáveis, este será um verão inesquecível. Um tempo em que vão descobrir o doce sabor da amizade, do amor, da união. época em que vão provar o gosto amargo da perda, do medo, da dor. Este será um ano inesquecível. Terrivelmente inesquecível. O ano em que vão conhecer a Coisa, a força estranha e maligna que vem deixando um rastro de sangue na calma Derry. O ser sobrenatural que apresenta um apetite especial por inocentes crianças.

Maio de 1985. O tempo passou deixando suas marcas em cada um deles. Já não são mais crianças. Mike Hanlon, o único que permanece em Derry, dá o sinal. Precisam unir novamente suas forças. A Coisa volta a atacar e eles devem cumprir a promessa selada com sangue quando crianças. Só eles têm a chave do enigma. Só eles sabem o que se esconde nas entranhas de Derry. Apenas eles podem vencer o poder maléfico da Coisa.

Usando uma sequência narrativa incrível para contar a infância dos nossos protagonistas, este é mais um clássico do terror que abusa do psicológico.  Se tem um livro que marcou a carreira de King nesse tipo de gênero literário, estou comentando dele agora mesmo.

A Coisa, nas suas longas 900 páginas, apresenta tantas histórias em uma linha temporal que pode até parecer uma reunião de contos, mas trata-se de uma história ambiciosa que acabou dando muito certo. Cuidado para não acabar encontrando o palhaço Pennywise por aí.


Insônia

11

Sinopse: Ralph Roberts é um viúvo aposentado que, subitamente, começa a sofrer de insônia. Primeiro, ele começa a acordar mais cedo. E mais cedo. Conforme o quadro piora, ele começa a ver coisas invisíveis aos olhos dos outros —auras coloridas e seres que, por sua aparência, chama de “doutorzinhos carecas”. Através dessas visões, percebe outros planos de realidade e sua influência sobre o mundo “real”. 

Logo, Roberts descobre que há um motivo aterrorizante para sua insônia e seus poderes: ele foi um dos escolhidos para lutar contra a destruição do mundo. Em uma trama que se entrelaça com a da série A Torre Negra, ele deve enfrentar o Rei Rubro para impedir que uma misteriosa profecia seja extinta.

Talvez o livro fora da saga que tenha uma relação maior que os outros. A luta contra a saúde mental é um dos pontos mais aprofundados neste livro e com tantas referências incluídas na história, é um livro que precisa ser lido antes da parte final da Torre Negra. 


Rose Madder

12

Sinopse: Rose McClendon imaginava estar realizando seus sonhos de viver uma vida feliz ao se casar com o policial Norman Daniels. O que ela não esperava é que ele revelasse sua face monstruosa logo nos primeiros dias de casamento.
Quatorze anos de agonia se passam até que uma simples gota de sangue no lençol faz com que Rose desperte do pesadelo e fuja para bem longo do terrível marido. Em outra cidade, Rose consegue um emprego, um novo apartamento, enfim, uma nova vida. Mas Norman não vai deixar que ela escape dele tão facilmente e começa a procurar a esposa por todos os lugares… até encontrá-la. Mas o que Norman não espera é que uma força sobrenatural venha ao auxílio de Rose.

Lançado um ano depois de Insônia, King mostrava por meio de seus livros que usar parte do universo da Torre Negra era uma boa forma de introduzir o sobrenatural no mundo real. É um livro que divide opiniões, mas eu li sem tantas preocupações que acabei achando uma obra bem interessante.


Os Justiceiros

13

Sinopse: Tarde de verão em Ohio. Nada parece fora do lugar na calma rua dos álamos. Um menino entrega o jornal, crianças brincam no jardim e os irmãos Carver discutem normalmente. O problema é o furgão vermelho no alto da ladeira. Falta pouco para ele começar a descer e transformar esta bucólica paisagem num mar de sangue. Quem conseguir sobreviver a esta tarde de horror vai perceber as regras que movem o mundo dos justiceiros. Um universo onde tudo pode acontecer.

O primeiro dos livros gêmeos. Vemos algumas referências da saga e ele nos apresenta algumas coisas que serão mencionadas mais lá na frente. É um livro bem curto e direto ao ponto, com muitas, muitas mortes.

O livro foi publicado como sendo escrito por Richard Bachman, um autor inventado por ele mesmo em uma época em que King queria escrever mais de um livro por ano e não desejava que as suas obras ficassem “saturadas”. Ele também procurava saber se os seus livros vendiam apenas pelo seu nome, não pela sua qualidade.


Desespero

14

Sinopse: Um gato espetado numa placa da Rodovia 50 – uma das mais solitárias dos Estados Unidos – revela que nem sempre é fácil chegarmos ao nosso destino. O professor Jackson e sua esposa, a família Carver e o escritor Jonh Marinville sabem disso. O trajeto até a cidade de Desespero indica que a viagem será sombria e assustadora. Afinal, ao longo deste insólito caminho existe Collie Entragian, um louco disposto a fazer das suas palavras a própria lei. 

Como comentei acima sobre os livros gêmeos, Desespero utiliza quase todos os personagens de Os Justiceiros, mas é como se tudo acontecesse em algum universo alternativo. Ainda continua sendo um livro de suspense, mas ele é bem mais explorado que o seu livro irmão.


Tudo é Eventual

15

Sinopse:  Stephen King escreve na introdução desta coletânea que “há poucos prazeres tão fantásticos quando sentar em minha poltrona preferida numa noite fria, com uma xícara de chá quente ao lado, escutando o vento lá fora e lendo um bom conto que posso terminar de uma assentada”. Esse prazer ele nos proporciona em Tudo é Eventual. São 14 histórias de suspense, surpresas e terror, certeiras na arte de agarrar o leitor pelo pescoço e não largá-lo mais, até a última frase.

No conto “Tudo é eventual”, que dá título ao livro, Dink é um adolescente e consegue seu primeiro emprego. Vai ter que morar longe da mãe mas, pensando bem, isso não chega a ser um problema. Ele só precisa navegar pela Internet e tem que gastar cada centavo da bolada que recebe semanalmente. Tudo parece bom demais para ser verdade, até que ele passa a desconfiar de que coisas muito estranhas acontecem quando aperta o mouse. Ele não tem ninguém por perto para dividir seus medos e qualquer decisão sua pode ser fatal.

Mais um coleção de contos na lista e esta é a minha coletânea favorita. Além disso, tem uma participação maior na saga do que Tripulação de Esqueletos. Por que? Neste livro temos o conto As Irmãzinhas de Eluria, que narra uma aventura de Roland pouco antes do primeiro livro. Também temos o conto que dá nome ao livro, onde nele conhecemos um personagem importante da última parte da saga. Um livro mais do que recomendado!


Saco de Ossos

16

Sinopse: Mike Noonan é um romancista de sucesso que vê sua vida subitamente transformada com a morte da esposa Jo. Quatro anos já se passaram e o sentimento é o mesmo – o desânimo, a tristeza, a sensação de que nunca mais será capaz de escrever. Diante da tela branca do computador, ele vê o vazio doloroso que passou a dominar seus dias. Nem mesmo o sono lhe traz alívio. Noonan é agora atormentado por terríveis pesadelos com Sara Laughs e a casa do lago – o recanto de sonhos onde ele e Jo foram tão felizes. Voltar à pequena cidade. Esta parece ser a única saída. Mike sente que precisa enfrentar o passado e tentar reencontrar seu caminho.

Sara Laughs, no entanto, já não é a mesma. Apesar da aparente tranqüilidade de sempre, sua comunidade vive atormentada pelo domínio cruel do milionário Max Devore, que não mede esforços para atingir seu grande objetivo: arrancar a neta de três anos da guarda da jovem mãe viúva. Pouco a pouco, Mike redescobre a paixão.

Mike Noonan reencontra um motivo para seus dias, mas a luta não será fácil. Além da fúria de Max Devore, Noonan terá de enfrentar forças estranhas e malignas que agora dominam Sara Laughs. Ele terá de descobrir de onde vêm os pesadelos cada vez mais terríveis que insistem em atormentá-los.

Mais uma história onde vemos o protagonista lutando contra problemas mentais. As relações com a Torre Negra são pequenas a ponto de muita gente não achar que tal conexão exista, mas como o próprio King considera que ela é uma parte da saga, não há ninguém no mundo capaz de contestá-lo.


Hearts in Atlantis

17

Sinopse: Em Hearts in Atlantis, Stephen King reuniu duas novelas e três contos, todos eles interligados por personagens ou eventos da época do baby boom.

Em Low Men in Yellow Coats, o jovem Bobby Garfield vira amigo do velho Ted Brautigan quando este senhor se torna o mais novo inquilino em seu apartamento. Ted pede para que Bobby fique de olho em peculiares sinais deixados na cidade, pois podem significar que os Homens Baixos em Casacos Amarelos estão por perto e à procura do misterioso velhinho.

Ainda não publicado no Brasil, Hearts in Atlantis é um livro apaixonante. As suas relações com a Torre são importantíssimas durante a fase final, o que talvez tenha sido o catalisador para o retorno da saga 4 anos mais tarde.

Este poderia ter sido o último trabalho do autor, já que King fora atropelado quase 4 meses antes do lançamento oficial. Se tiver curiosidade, dê uma pesquisada sobre o acidente que o King sofreu, já que apresenta algo importante para a série também.

É sério.


Casa Negra

18

Sinopse: Vinte anos se passaram e Jack Sawyer não é mais um menino. Aos 32 anos, não se lembra dos acontecimentos terríveis de quando tinha apenas 12 anos e que o levaram a um estranho universo paralelo – os Territórios. Agora, Jack é um detetive aposentado e mora no vilarejo de Tamarak. Um estranho acontecimento forçou-o a deixar a policia, e ele vive tranqüilo, protegido das recordações perigosas. Mas sua tranqüilidade está prestes a acabar. Uma série de assassinatos macabros faz com que o chefe de polícia local, amigo de Jack, lhe implore que ajude a polícia a encontrar o assassino.

A sequência de O Talismã apresenta MUITAS referências da saga e é cheio de suspense até a última página. O livro tem lá a sua importância para a fase final e algumas coisinhas que aparecem aqui valem a pena serem notadas.


Buick 8

19

Sinopse: A polícia da Pensilvânia esconde há anos um terrível segredo. Na escuridão do galpão 8, atrás da delegacia, um misterioso carro permanece guardado – um Buick Roadmaster. Invulnerável a arranhões e sujeira, dono de um motor bizarro que nunca funciona e capaz de recuperar-se sozinho de qualquer avaria, o automóvel esconde um enigma desafiador, sobrenatural e mortífero.

Em BUICK 8 Stephen King apresenta uma história sobre o que os acontecimentos da vida têm de essencialmente indecifrável, e como é impossível encontrar neles um significado. Trata-se de um romance sobre a fascinação que todos sentimos pelo sobrenatural, sobre como insistimos em buscar respostas onde não existem, e sobre a mais poderosa das armas que dispomos – nossa imaginação.

Outro livro que King marcou como parte da saga, mas que muitos leitores discordam. É uma pedida pra quem procura saber de tudo da saga e quem leu acabou gostando.


Duma Key 

duma

Sinopse: Um acidente terrível em um canteiro de obras arranca o braço e a mão direitos de Edgar Freemantle e embaralha sua memória e sua mente. A raiva é praticamente tudo o que lhe resta enquanto inicia sua penosa recuperação. O casamento que gerou duas filhas maravilhosas termina de repente e Edgar começa a desejar não ter sobrevivido às lesões que quase o mataram.

Seu psicólogo sugere uma “cura geográfica”, uma nova vida longe das cidades gêmeas de Minneapolis-Saint Paul e da empresa que ele construiu do nada. E sugere que Edgar também retome o hábito de desenhar. Ele troca, então, Minnesota por uma casa alugada em Duma Key, uma ilhota de beleza extraordinária e estranhamente subdesenvolvida na costa da Flórida. Lá, ele ouve o chamado do sol se pondo no Golfo do México e da maré chacoalhando as conchas na praia – e desenha.

Uma visita de Ilse, sua filha mais querida, o incentiva a abandonar a solidão. Ele encontra um amigo em Wireman – um homem que reluta em revelar suas próprias feridas e, posteriormente, em Elizabeth Eastlake – uma idosa cujas raízes estão fincadas em Duma Key. Edgar passa a pintar – às vezes de modo febril, e seu talento em combustão se revela tanto uma dádiva quanto uma arma. Muitos de seus quadros têm um poder que não pode ser controlado. Quando os fantasmas do passado de Elizabeth começam a surgir, descobrimos o perigo que suas pinturas surreais representam.

Stephen King ama escrever esse tipo de livro, mas ele não tem culpa de acabar fazendo um bom trabalho. Mais uma vez vemos ele explorando o psicológico, a luta do ser humano em entender o sobrenatural e também a busca pela superação de uma dor.

As relações com a saga estão quase escondidas e muitas delas você só entenderá no último livro, por isso é uma boa pedida lê-lo antes de partirmos rumo ao pé da Torre.


O Vento Pela Fechadura: Uma História de A Torre Negra

20

Sinopse: A lenda do menino Tim e suas aventuras em busca do mago Merlyn acabam revelando muitas verdades sobre Gilead, o Mundo Médio e o Pistoleiro.

O livro encaixa mais uma peça no vasto quebra-cabeças que cerca a saga, oferecendo lendas e histórias fantásticas de Gilead, ao mesmo tempo em que investiga o passado doloroso do pistoleiro Roland Deschain. O pistoleiro Roland e seu ka-tet são obrigados a acampar numa cidade fantasma. Caso contrário, seriam congelados com a chegada súbita e mortal de uma borrasca, tempestade única ao Mundo Médio.

Para afastar o tédio da espera, Roland distrai o grupo com uma história de seu passado. Porém, no centro dessa lembrança, o jovem Roland, do passado, também narra uma fábula de sua infância, registrada em seu livro favorito: O Vento Pela Fechadura.

Encaixando-se entre o quarto e o quinto livro da saga, O Vento Pela Fechadura dá uma pausa nos acontecimentos para voltar novamente ao passado de Roland. São duas histórias interessantíssimas e não preciso nem dizer o quão importantes elas são para conhecermos o nosso protagonista.

O livro foi lançado em 2012, 8 anos após a conclusão da saga.


 A Torre Negra V: Lobos de Calla

21

É dada a largada para a fase final da busca pela Torre Negra. Voltemos as referências de cultura pop e começamos a captar todas as informações que foram recolhidas nos livros recomendados entre este livro e Mago e Vidro.


A Torre Negra VI: Canção de Susannah

22

O livro mais curtinho após O Pistoleiro. Funciona como ponte para o desfecho da saga e precisa ser lido com bastante calma, pois o fim está próximo, e você não irá a lugar algum se deixar passar tanta coisa que este livro explica.


A Torre Negra VII: A Torre Negra

23

O confronto final. O fim da jornada. Será que Roland alcançará o topo da tão sonhada Torre Negra? Toda essa leitura até aqui será justificada numa das grandes sagas já imaginadas por algum escritor. São 1000 páginas que prenderão o fôlego de qualquer leitor que chegar até aqui.

Se você já se animou em começar a ler acompanhando o guia, lendo livro por livro, foi porque fiz um bom trabalho. Se você apenas leu todas essas sinopses que coloquei aqui e não tem interesse no momento, saiba que fiz a minha parte como um Leitor Fiel e espero profundamente ter incitado pelo menos um pingo de curiosidade em você. 

Longos dias e belas noites, pistoleiro.

Créditos: Bryant pela ordem de leitura


Extras

Extra

Fora dos livros, A Torre Negra conquistou uma boa popularidade no mundos das HQs. A editora Marvel começou a publicar a adaptação gráfica da Torre em 2007, começando com uma adaptação do flashback de Roland, contado no livro Mago e Vidro. Após o término dessa história, os escritores passaram a contar, com a autorização do próprio Stephen King, o que aconteceu com Roland após aqueles acontecimentos. Eventualmente a história alcança o conto “As Irmãzinhas de Eluria” e o primeiro livro da saga.

Em 2014 uma nova adaptação foi anunciada, retirando a HQ de um hiato de 2 anos. Este novo arco passou a adaptar o livro 2, A Escolha dos Três, e está sendo publicado atualmente.

A HQ é uma ótima recomendação para quem se interessar mais pela juventude de Roland, contando histórias que não foram relatadas nos livros, apenas mencionadas, como a Batalha da Colina de Jericó. Dá pra ver pela imagem acima que o trabalho artístico é magnífico e a adaptação conta com a participação de Robin Furth, a assistente de pesquisa de King, e que talvez seja a pessoa que mais conheça sobre a saga. Além do próprio King, é claro.


about

Lucas leu todos os livros da Torre Negra sem ter lido nenhum outro livro do Stephen King e mesmo assim gostou pra caramba. Agora que está relendo com um conhecimento maior, não consegue expressar por meio deste pequeno texto o quanto ele está adorando ainda mais.

Anúncios

7 comentários sobre “A Torre Negra – Um Guia de Leitura

  1. Eu li até o quinto da Torre Negra sem ter lido NENHUM dos outros livros do tio Stephen e gostava bastante. Me lembro de parar pq estava esperando lançarem o resto dos livros no Brasil e daí nunca acabei me focando para ler o resto pq faltou tempo e queria reler tudo de novo.

    Agora se for fazer isso, sei a ordem de ler os outros livros do King junto =] Salvei o guia nos favoritos.

    ……também bem que podia sair uma adaptação da HBO de toda a saga né. Até onde eu li do quinto, parecia uma história perfeita para uma grande adaptação na TV >.< só de imaginar dá calafrios.

    • Pior que faz uns anos que tá rolando uma negociação sobre Torre Negra, algo como três filmes e uma série de TV. Mas acho difícil sair do papel nessa época de crise infelizmente, faria um sucesso desgraçado

  2. Pingback: Em Buick 8 Stephen King Apresenta Uma Historia Sobre O Que Os Acontecimentos Da Vida Tem De Essencialmente Indecifravel, E Como E Impossivel Encontrar Neles Um Significado. | MsDanielle
  3. Pingback: He Was Playing On Keys. | Amira Lace
  4. Gostei muito desse post, Stephen King é sem dúvidas o meu autor favorito e acho A Torre Negra sensacional! A forma como ele conecta os universos de muitos livros ao da Torre é impressionante.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s