Um retorno aos clássicos 8-bit com Shovel Knight

shovel-knight-campfire

“Dá para fazer uma pá de coisas com esse jogo” – Piadista fracassado da internet

Shovel Knight é um jogo de plataforma, bem recente, lançado para PC, através da steam, e para Wii U e 3DS. O jogo foi realizado através de um projeto de financiamento coletivo que foi um sucesso.  Em minha humilde opinião, foi uma grande surpresa. Um jogo que me fez sorrir de um canto para o outro, por ser uma maneira de resgatar os elementos de jogos mais antigos. E como tem essa pegada de elementos de jogos mais antigos, a história de Shovel Knight é realmente um clichê, só que não é aquele clichê ruim, é aquele clichê bom, e que na realidade, nem vai afetar tanto assim o jogo. O único defeito do jogo é sua duração. Dá para terminar, em no máximo, umas 6 horas.

shovel_knight_screen_01

Shovel Knight e Shield Knight lutavam juntos, em uma jornada em busca de tesouros e aventuras. Só que ambos decidem explorar a “Tower of Fate”, os dois sucumbiram a maldição de um amuleto amaldiçoado. Quando Shovel Knight recobra a consciência, a torre foi selada e Shield Knight sumiu. Em luto pele sua amada, Shovel Knight se isola e desiste de se aventurar. Mas durante seu sumiço, a Enchantress se fortalece, e espalha o mal através da terra. Ao saber que Enchantress rompeu o selo da “Tower of Fate”, Shovel Knight decidi retornar ao campo de batalha, na esperança de encontrar e resgatar Shield Knight. Para que isso se realize, Shovel Knight deve enfrentar uma ameaça, um grupo chamado de “The Order of No Quarter”, seres que foram mandados pela Enchantress para o impedir.

Esse é o jogo onde eu e uma pá salvamos o mundo. “Mas, Marcos, espera aí! Como assim uma pá?” Pois é, meu amigo, aqui a tua arma é uma pá. Você enfrenta milhares de monstros e chefões com apenas uma pá, parece um suicídio, mas não é. É bem simples até, afinal, você é o Cavaleiro Pá. Esse título de “Cavaleiro”, no jogo é dado para quem conseguir derrotar um outro Cavaleiro, isso é percebido durante os diálogos. E assim você tem o Cavaleiro Espectro, o Cavaleiro Tesouro, o Cavaleiro Toupeira e vários outros. É um mundo zoado? É, mas não tiro mérito algum do jogo. O seu título de Cavaleiro fala bastante sobre você, e te ajuda a descobrir os perigos vindo por aí.

1

O jogo tem diversas fases e cada uma com seus elementos bem trabalhados. Se for uma fase que tem como base um clima, eles vão trabalhar em certas dificuldades em cima disso, como a lava, neve e por aí vai. E assim vão construindo obstáculos fáceis ou difíceis com base nisso. Fora os monstros, cada um se adaptando corretamente ao cenário que você enfrenta. De monstros voadores a monstros aquáticos, os mais variados estarão lá para te enfrentar e impedir que você chegue ao chefe do lugar em que você está. E sempre é bom observar atentamente cada canto das fases por onde passa, para ver se tem alguma passagem secreta na qual você possa “cavar” para entrar, e conseguir dinheiro ou até partes de música, para entregar a um bardo na cidade e conseguir algum dinheiro. Às vezes até aparece um vendedor maluco para lhe vender algumas armas secundárias. Os chefes/chefões/bosses/carinhas do final da fase são variados e especializados para se adequar a sua fase, o que pode causar algum desafio gritante e ocasionar na sua morte muitas vezes. No total, são 8 fases e 8 chefes, somando com a Enchantress que seria a última. Durante o progresso do jogo, aparecem 3 inimigos andando pelo mapa, que são chefes poderosos que lhe desafiam, e mais um que aparece em uma certa cidade do jogo.

Durante o jogo você tem a possibilidade de fazer atualizações em seu HP e em sua Mana, e assim, aumentar sua resistência e durabilidade nas fases. Você consegue comprar também algumas armas secundárias para o personagem, ofensivas ou de suporte. Algo como uma vara de pescar, um cajado que manda bolas de fogo, uma âncora e por aí vai. E mais para frente no jogo, você também consegue comprar algumas armaduras que dão alguma habilidade passiva para o personagem, como perder menos dinheiro quando morrer. Isso depende da armadura que você equipar, apesar de serem poucas, podem ajudar seu personagem de diversas maneiras. Também é possível fazer upgrade na sua pá, apesar de serem poucos, que lhe possibilita dar um ataque carregado que tira mais hp dos monstros e por aí vai.

Apesar de ter uma história clichê, Shovel Knight é um jogo bem gostosinho de se jogar e com uma jogabilidade bem simples, até. Os controles se resumem aos de movimento, um de pulo e outro de ataque, nada tão difícil de se acostumar. A dificuldade é perfeita, não é nada fácil e nem tão difícil, é só pegar o jeito e tu consegue mandar bem em qualquer fase. A dificuldade mesmo vem no New Game +, onde o dano dos monstros dobra e os checkpoints nas fases diminuem, fazendo, quase sempre, você voltar mais da metade do caminho. Diferente dos jogos de plataforma que se vê por aí, em Shovel Knight você não perde vidas, mas sim dinheiro. A cada vez que você morre, perde 25% do seu dinheiro. Na verdade não perde, ele fica flutuando perto de onde você morreu, e é possível conseguí-lo de volta. Mas caso morra antes de pegar, você o perde e perde ainda mais dinheiro.

2578694-06)++-+shoveling+-+2014-06-20+01-49-5108

É tudo feito em visual retrô, desde os gráficos 8-bit à trilha sonora feita em chiptune. Os elementos do jogo são baseados, ou ao menos lembram muito, elementos de outras franquias. Por exemplo, temos uma maneira muito similar a de Mega Man, no modo em que são 8 fases, 8 chefes e o gameplay é bem parecido. Já temos uma maneira de exploração bem parecida a de Castlevania e a de Ducktales, o que parece até ser um misto de ambos. E em questão de dificuldade, me lembra muito Dark Souls e a dor de cabeça que me deu. É uma boa pedida para galera que gosta desse estilo de “suruba” digital [?] e que gosta de jogos na pegada retrô. Eu recomendo Shovel Knight, não só por trazer um saudosismo ou nostalgia, mas também por garantir uma ótima diversão. Talvez até entre no top 10 de 2014.


QbJ6Szl

Marcos ainda procura saber o quão obscura pode ser a alma humana. Bem Marcos, ela é obscura ao ponto de usar uma pá como arma.

Anúncios

Um comentário sobre “Um retorno aos clássicos 8-bit com Shovel Knight

  1. Pingback: Odallus: The Dark Call (análise) | Missão Ficção

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s